Quais são os cuidados que devemos tomar com o sedentarismo?

O sedentarismo ocorre quando o indivíduo não pratica qualquer tipo de exercício físico ou só realiza as atividades físicas básicas de um dia normal, como subir escadas, caminhar até o trabalho, etc.

O sedentarismo é considerado um mal do século, pois parece que o número de pessoas sedentárias não diminui. Em 2013, no Brasil, 13 de cada 100 mortes de pessoas obesas foram por culpa do sedentarismo. Não é assunto para brincadeiras.

Em 2017, estatísticas do IBGE mostraram que 60% dos brasileiros estavam sedentários. Para piorar, somente menos de 40% da população do país disse praticar algum tipo de esporte ou atividade física.

Como você pode ver, é uma situação bem séria e preocupante, inclusive entre as crianças. A má alimentação em conjunto com a falta de exercícios físicos é uma combinação pronta para acabar com sua qualidade de vida e bem-estar mental ou físico.

Como a pessoa come normalmente (ou até muito) e não pratica atividades físicas, essa quantidade de calorias não é queimada para ser utilizada como energia, o que faz com que ela fique acumulada no organismo, prejudicando seu funcionamento.

 

Por que precisamos ter cuidado com o sedentarismo?

Se todas as coisas que falamos acima ainda não te convenceram de que o sedentarismo é algo ruim, então dê uma olhada a lista que fizemos sobre as principais consequências que podem ser causadas pelo sedentarismo.

Confira a seguir os problemas que podem ser gerados pela ausência de atividades físicas e entenda o porquê dos cuidados com o sedentarismo serem tão fundamentais à nossa vida:

  • Distúrbios ósseos e musculares, já que não são utilizados como deveriam e por isso acabam perdendo a resistência e ficando mais frágeis;
  • Obesidade, pois não existe uma boa queima das calorias consumidas durante o dia, o que gera o acúmulo e consequentemente o aumento de peso;
  • Doenças cardiovasculares (como derrames e infartos), o que também se deve ao acúmulo de gorduras pelo organismo, que pode entupir artérias;
  • Diabetes, pois o nível de açúcar sobre tanto no sangue que a quantidade de insulina produzida pode não ser o suficiente;
  • Colesterol alto e pressão arterial alta, ambos também causados pela baixa queima de gorduras;
  • Problemas psicológicos (como a depressão e ansiedade), por culpa da aparência ou pelo organismo está totalmente desregulado;
  • Doenças respiratórias (como a asma), porque o corpo está desacostumado a realizar atividades que melhorem o desempenho orgânico geral.

 

Como tratar o sedentarismo?

Não tem como acabar com o sedentarismo sem praticar exercícios físicos. Comece pouco a pouco, faça caminhadas de 30 minutos algumas vezes por semana e depois vá aumentando cada vez mais até virar um hábito diário.

Lembre-se também de se alimentar de forma saudável e nutritiva. Você vai ver como a sua saúde, disposição e bem-estar irão melhorar muito!

 

Não esqueça que para ter uma receita saudável completa e saber quais exercícios físicos são os mais indicados para você, é preciso procurar um nutricionista ou um médico especializado. Apenas eles poderão te orientar sobre como agir para deixar o sedentarismo para trás!

 

, ,

Cuidados com maus hábitos alimentares

Na nossa correria diária, para poupar tempo, acabamos consumindo alimentos que estão longe de serem considerados saudáveis. Nessa vida agitada, costumamos priorizar a praticidade ao invés da saúde. Isso é um erro.

Pode não parecer tão importante agora, mas a seleção do que ingerimos e a forma como ingerimos é fundamental para a nossa qualidade de vida. Às vezes passamos por algum mal-estar sem perceber que as causas disso são os maus hábitos alimentares.

Doenças como diabetes, hipertensão, obesidade, arritmia e até alguns tipos de câncer podem ser causadas pela má alimentação. Entendeu como esse assunto é muito maior do que apenas a questão sobre ser fitness ou não?

Ter hábitos alimentares saudáveis só traz benefícios, como: melhor funcionamento do metabolismo; mais saúde ao sistema digestivo; prevenção de doenças; menor acúmulo de gordura no corpo; maior longevidade; aumento da qualidade de vida e bem-estar físico e mental, entre outros.

 

Como ter cuidados com maus hábitos alimentares?

Para sabermos como mudar e evitar os hábitos alimentares é essencial entender quais são esses hábitos. Por isso preparamos uma pequena lista com os principais erros cotidianos, assim como solucioná-los. Dê uma olhada a seguir:

 

1 – Pular refeições principais

O ideal é se alimentar de três em três horas para que a pessoa não fique com fome e os níveis de glicemia permaneçam normais. É um erro bem comum achar que ficar em jejum emagrece.

Na verdade, é o contrário: o corpo armazena mais calorias para se prevenir, o que pode até contribuir para o ganho de peso. Então, não pule qualquer refeição. Coma tudo em porções moderadas, com uma variedade colorida de alimentos e sem beber enquanto consome o prato.

 

2 – Ingerir poucas fibras

As fibras são essenciais para o bom funcionamento do sistema digestivo, além de tantos outros benefícios. Elas são negligenciadas por uma boa parte das pessoas porque estão presentes em alimentos não tão queridos, como verduras, frutas, sementes, massas integrais, etc.

Muita gente acha que esses alimentos são ruins e pouco satisfatórios no quesito sabor. A verdade é que existe muito preconceito e as pessoas nem se importam em provar ou testar maneiras diferentes de prepará-los.

O ideal é ingerir ao menos três frutas por dia, assim como sempre acrescentar saladas ou outros legumes ao almoço e à janta. Além disso, procure lanchar com torradas e pães integrais ao invés dos tradicionais.

 

3 – Beber muito refrigerante

O Brasil é um ávido consumidor de refrigerantes, mas esse é um hábito terrível. Isso porque essas bebidas são compostas por frutose, sódio, ácidos e outras substâncias químicas altamente prejudiciais ao bom funcionamento orgânico.

Tomar refrigerante pode aumentar seu colesterol, causar diabetes, aumentar a pressão arterial, entre muitos outros problemas. O sugerido é trocar o refri por sucos naturais que, além de serem saudáveis, são muito deliciosos.

 

4 – Consumir carne de forma excessiva

Carnes gordas podem causar problemas cardiovasculares, assim como alimentos embutidos, como as salsichas e o bacon (tão populares), possuem quantidades enormes de sódio e gorduras, além de conservantes.

Prefira comer peixes e carnes brancas ou então opte pelas carnes vermelhas magras, como o lagarto e o coxão duro.

 

Seja sincero(a), você tem alguns desses maus hábitos? Se não, parabéns! Se sim, mude o quanto antes. Procure um nutricionista ou um médico para lhe aconselhar sobre qual tipo de dieta alimentar saudável é a melhor para suas necessidades.

, ,

Dicas para um estilo de vida mais saudável

Com toda a agitação da sociedade atual, excesso de trabalho, problemas, ocupações e tarefas dentro ou fora de casa, fica difícil conseguir manter um estilo de vida mais saudável.

Muitas das atitudes prejudiciais à saúde vêm da necessidade de buscar coisas práticas devido à correria do dia a dia. O que muita gente não sabe é que é possível sim ter hábitos saudáveis de forma prática e prazerosa, você só precisa ter força de vontade para que isso aconteça.

Uma mudança de rotina se faz muito necessária à maioria das famílias brasileiras e para te ajudar a entender melhor o que fazer sobre isso, nós preparamos uma lista com dicas para um estilo de vida mais saudável.

Esperamos que com essas dicas você consiga manter os novos hábitos de forma definitiva e rotineira. Confira:

 

1 – Troque sua alimentação

Evite comer alimentos processados e industrializados. O ideal é preparar suas refeições com verduras, legumes, proteínas magras e frutas. Você pode fazer várias marmitas fitness congeladas que duram a semana inteira e evitam o trabalho do preparo repetitivo.

Se você não está acostumado a comer esses alimentos, mude aos poucos. Adicione legumes aqui, coloque frutas ali, até que eles estejam presentes diariamente em sua vida.

 

2 – Tenha uma rotina de atividades físicas

Praticar exercícios físicos é essencial para a manutenção da saúde tanto física quanto mental. Você não precisa treinar intensamente ou ralar na academia. Pode começar apenas caminhando três vezes por semana durante 30 minutos.

Andar de bicicleta, correr na esteira, pular corda, nadar ou jogar algum esporte que te dê prazer também são ótimas opções para largar o sedentarismo e ganhar resistência corporal.

 

3 – Liste seus objetivos

Muita gente se sente bem melhor depois que coloca no papel (ou no celular) a lista com todos os objetivos a serem alcançados com a sua mudança de hábitos e estilo de vida. O que você mais deseja? Perder peso? Ganhar força muscular? Ter mais saúde?

Vá acompanhando todo o seu progresso. É importante marcar tudo para que perceba a melhora da qualidade de vida e não desista de buscar os seus objetivos.

 

4 – Organize o seu dia a dia

O ideal é ter um controle do que você vai comer no dia seguinte já no dia anterior. Tenha uma organização clara de cada refeição e da quantidade de alimentos que precisa consumir, assim como dos minutos de exercícios físicos que necessita alcançar diariamente.

A falta de uma rotina clara pode resultar em consumo desenfreado, pulo de refeições, ausência de atividades físicas, relaxamento consigo mesmo e negligência de todos os seus objetivos prometidos.

 

5 – Consulte um nutricionista     

Apesar de todas as dicas sobre alimentação, a maior sugestão é procurar um nutricionista e um médico. O nutricionista analisa seu estilo de vida antigo, seus objetivos e necessidades, oferecendo um esquema completo de sua nova rotina de alimentos saudáveis.

O médico passa exames essenciais para saber como está a sua saúde física, de quais nutrientes você precisa e quais os níveis de açúcar, colesterol e gordura. Dessa forma você cuida do seu corpo de forma integral.

 

Não se acomode em ter uma qualidade de vida ruim. Busque sempre o que é o melhor para a sua saúde, pois só assim viverá mais e melhor.

,

A reeducação alimentar além do que se acredita ser

Muita gente quando pensa em reeducação alimentar já imagina algo penoso, com comidas sem graça e ruins. Essas pessoas acham que ao terem uma alimentação saudável seu prazer em comer irá desaparecer.

Nada disso é verdade. Na realidade, a reeducação alimentar só apresenta aspectos positivos para a sua vida. Pode ser surpresa para você, mas existe uma enorme gama de comidas deliciosas e que atendem à filosofia da alimentação saudável.

Venha descobrir mais sobre a reeducação alimentar e veja que ela está longe de ser algo chato ou insatisfatório!

 

O que é a reeducação alimentar?

            Reeducação alimentar é a reavaliação de comportamentos e hábitos relativos a sua alimentação diária. Está longe de ser uma dieta rigorosa e radical, daquelas que limitam muito o cardápio. Pelo contrário, a reeducação alimentar apenas amplia as opções.

Se você quer emagrecer ou manter o seu peso, esta é a melhor alternativa. A maioria das dietas populares acabam sendo interrompidas com o tempo por serem difíceis de acompanhar. Já quando você se reeduca, a alimentação saudável vira rotina diária para sempre.

 

Por que fazer uma reeducação alimentar?

            Para esclarecer ainda melhor a importância de uma reeducação alimentar, confira os principais motivos pelos quais ela é excelente para a sua saúde:

  • Evita doenças – comer alimentos saudáveis ajuda a desintoxicar seu corpo e a auxiliar no melhor funcionamento do organismo. A reeducação alimentar previne e trata problemas como diabetes, colesterol alto, hipertensão, insuficiência cardíaca, etc.
  • Eleva a qualidade de vida – graças aos nutrientes proporcionados pelos alimentos naturais, você passa a ter mais disposição, bom humor e ânimo em sua vida. Além disso, comer bem faz com que você viva mais e melhor.
  • Emagrece ou mantém o peso – esqueça as dietas malucas! Fazer a reeducação alimentar é a melhor maneira para você perder peso, mantê-lo ou até mesmo ganhar massa magra – existem alimentos específicos para cada objetivo.

 

Como funciona a reeducação alimentar?

            Não existe uma regra única para a reeducação alimentar. A verdade é que um nutricionista é a pessoa mais qualificada a te orientar sobre como proceder porque cada um possui suas necessidades e particularidades.

No entanto, há algumas dicas que costumam fazer parte da maioria dos planos de reeducação alimentar. Confira:

1 – Beba bastante água o dia todo. Deixar o corpo hidratado é essencial para a saúde. O mais indicado é tomar 2 litros de água por dia, mas isso pode depender de seu biotipo. Fale com seu nutricionista.

2 – Não pule as refeições principais e coma de 3 em 3 horas. Ficar em jejum não te fará emagrecer com saúde, mas comer direito sim. É importante não ficar com fome, pois assim você pode se alimentar com as quantidades corretas sem exagerar.

3 – Adicione mais verduras, legumes e frutas na sua vida. Se você não tem costume de consumir esses alimentos, procure acrescentá-los aos poucos em sua dieta até fazer disso um hábito. Eles possuem vitaminas, nutrientes e minerais essenciais para seu corpo. Os alimentos integrais também são ótimos.

4 – Pratique exercícios físicos. Realizar atividades como caminhadas e corridas diárias pode acelerar bastante a perda de peso se feitas em conjunto com a reeducação alimentar, sem contar que sua vida fica mais leve e saudável.

 

Viu como a reeducação alimentar não é um bicho de sete cabeças? Procure um nutricionista ou um médico de confiança e cuide de sua saúde!

O que é Obesidade

O que é Obesidade?

A Obesidade tem se tornado um dos principais problemas de Saúde Pública no Brasil. Segundo dados da ABESO (Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica) e do Ministério da Saúde, passa de 50% da população na Região Sudeste, com um aumento significativo nas últimas décadas. A obesidade pode levar a diversas doenças, como:

  • Doenças cardiovasculares;
  • Diabetes;
  • Artrose;
  • Câncer;
  • Infertilidade;
  • Hipertensão arterial;

Como saber se uma pessoa está obesa?

Claro que, nem todo mundo que tem uma gordurinha localizada pode ser considerada obesa.

A Obesidade pode ser classificada de acordo com o Índice de Massa Corpórea ( IMC ), que é calculado através da seguinte fórmula :

IMC = Peso (kg) / Altura X Altura (mt)

O IMC é considerado normal para o indivíduo que tiver até 25. Quando ele está entre 25 e 30 classificamos como Sobrepeso. Acima do IMC 30 o indivíduo apresenta Obesidade.

A Obesidade está relacionada diretamente com o aumento do risco das Doenças Cardiovasculares e Metabólicas, devendo desta maneira ser combatida. A Obesidade pode ser classificada conforme a tabela a seguir:

IMC – Classificação e Riscos de Doenças

Quais são as causas da Obesidade?

É uma série de fatores que contribuem para que uma pessoa se torne obesa. Porém, a principal causa é o consumo de calorias atrelado ao sedentarismo, ou seja, não ocorre a queima das calorias.

Mas também outros fatores podem contribuir para a obesidade, como questões genéticas, ambientais, psicológicos, metabolismo lento, distúrbios hormonais e até mesmo comportamentos sociais.

Mas afinal, o que seriam os alimentos com muitas calorias? Pois bem… Os alimentos ricos em calorias, também chamados de carboidratos vazios são:

  • Salgadinhos;
  • Doces;
  • Refrigerantes;
  • Biscoitos recheados;

Alimentos com alto teor de gordura também possuem uma alta quantidade de caloria, e devem ser evitados, principalmente gorduras trans e saturadas, encontradas em:

  • Manteiga;
  • Carnes gordurosas;
  • Queijos;
  • Leite integral;
  • Produtos de panificação;
  • Alguns tipos de biscoitos recheados.

O que fazer para evitar a obesidade?

O primordial para evitar o acúmulo de gordura é não tendo uma vida sedentária. Uma boa caminhada entre 30 minutos a 1 hora por dia, por exemplo fazem toda a diferença para queimar calorias.

Outra forma é você realizando afazeres domésticos simples, como varrer a casa ou optar por subir de escada ao em vez de optar pelo elevador. Situações cotidianas podem ajudar na queima de calorias, o que consequentemente irá contribuir para a aceleração do seu metabolismo e com isso a perda de peso.

Os cuidados com o corpo, atingindo um percentual de massa magra contribui para a sua saúde, evitando uma série de doenças e inibindo a fadiga, que é aquele cansaço excessivo, onde tudo pode fazer você sentir “preguiça”, o que é um risco para você se tornar uma pessoa sedentária.

, ,

Qual a diferença entre o nutrólogo e o nutricionista?

A conscientização dos efeitos que a alimentação e os nutrientes causam na saúde do organismo vem crescendo a cada ano. A reeducação alimentar é importante para todas as pessoas que buscam aprimorar o bem-estar durante sua vida, onde os principais profissionais que oferecem tratamentos com esse foco são o nutricionista e o nutrólogo.

O trabalho no nutricionista e do nutrólogo é ensinar aos pacientes como se alimentar corretamente, verificando as deficiências e excessos nutricionais no seu metabolismo para indicar a forma correta de ingerir macro e micronutrientes.

Então qual é a diferença entre esses dois profissionais?

A primeira diferença está na formação, onde o nutricionista é graduado em nutrição e o nutrólogo é graduado em medicina e posteriormente faz uma especialização em nutrologia médica.

Outra diferença é que como o nutrólogo é medico, ele além de analisar o efeito dos nutrientes no metabolismo do paciente, identificando qual desequilíbrio existe, ele também pode receitar medicamentos para o tratamento. O nutricionista não pode receitar remédios, mas pode montar cardápios corretos para cada necessidade do metabolismo.

Atuação do médico nutrólogo.

Além do conhecimento da nutrição, os nutrólogos por possuírem formação médica, conseguem relacionar os problemas diagnosticados com outras áreas da medicina, como oncologia, cardiologia e etc, possibilitando o tratamento de doenças nutricionais,  como obesidade, anemia, tireopatias, pausas hormonais, hipertensão arterial e o diabetes mellitus.

Outra importante função, é identificar possíveis desequilíbrios alimentares e hábitos de vida que estejam prejudicando o quadro nutricional do paciente, para prevenção de doenças. Também é muito importante enfatizar a necessidade de um acompanhamento sistemático do estado nutricional através de uma avaliação periódica, ou check-up nutrológico, para uma boa manutenção da saúde do organismo e prevenção de doenças nutricionais mais graves.

, , ,

Endocrinologia, Nutrologia e Psicologia no combate da Obesidade

Qual a importância do psicólogo para o tratamento da Obesidade?

Uma das causas da obesidade pode ser problemas psicológicos. E é nesses casos que a ajuda de um profissional da área se torna essencial.

Afinal, o que leva uma pessoa a se alimentar de forma desregrada é uma série de emoções que podem significar amor, afeto, carinho, medo, tristeza, celebração, entre outras.

O tratamento com o psicólogo irá ajudar o paciente a entender e trabalhar melhor as suas emoções. Por exemplo, um paciente que está ansioso com alguma situação pode acabar comendo de forma descontrolada para suprir essa ansiedade.

Contudo, o consumo de alimentos com muitas calorias acabam se tornando vícios, aonde o paciente não irá ingerir alimentos para saciar a sua fome, mas apenas para tentar aliviar as suas emoções. E muitas das vezes, ocorre o sedentarismo, ou seja, o paciente não consegue queimar as calorias adquiridas.

O psicólogo irá identificar quais são os estímulos, que não sejam a fome, que fazem com que o paciente coma indevidamente. As causas podem ser de ansiedade, mas também de depressão, estresse, problemas afetivos, entre outros.

Em situações onde é necessário realizar procedimentos cirúrgicos, a perda de peso ocorrerá de forma rápida, o paciente encontrará no psicólogo todo o suporte e esclarecimento para se reeducar e controlar as emoções.

 

Como funciona o trabalho de um endocrinologista no tratamento da Obesidade?

Por ser uma doença multifatorial, a obesidade precisa de uma abordagem multidisciplinar, ou seja, que investigue de fato a existência do problema para que ele possa ser tratado de forma adequada.

O endocrinologista irá avaliar se a obesidade do paciente é relacionada a distúrbios hormonais, através do estudo do conjunto de glândulas incumbidas da produção de hormônios e dos processos metabólicos.

Mesmo não sendo identificados distúrbios hormonais, o paciente obeso precisará manter uma dieta regrada, atendendo algumas necessidades específicas para melhorar o seu quadro clínico.

 

Acompanhamento da nutrição por um nutrólogo

Os nutrólogos por terem grande conhecimento sobre nutrição, conseguem identificar possíveis desequilíbrios alimentares e hábitos de vida que estejam prejudicando o quadro nutricional do paciente, para prevenção de doenças e combate a obesidade. Também é muito importante enfatizar a necessidade de um acompanhamento sistemático do estado nutricional através de uma avaliação periódica, ou check-up nutrológico, para uma boa manutenção da saúde do organismo e prevenção de doenças nutricionais mais graves.

Muitas pessoas fazem dietas mirabolantes, mas as dietas genéricas não servem de nada. O nutrólogo é que irá fazer uma avaliação personalizada.